LAGUNA.

NÃO VERÁS LUGAR COMO ESTE.
AMA DE VERDADE
A TERRA EM QUE NASCESTE

quarta-feira, 26 de abril de 2017

       O ARTIGO TERCEIRO (6)
   O PODER
                                           (texto e postagem márcio josé rodrigues)

            Quando Mãe Natureza Criadora gerou os viventes deu-lhes três dons:
- Uma inteligência para aprender as coisas necessárias de viver, uma vontade para agir e sobreviver e uma consciência para dizer o que é certo ou o que é errado.
Ficou estabelecido que todos podem fazer o que quiserem, desde que  obedeçam à consciência e não façam nada de ruim à natureza (que, é o conjunto do ar e dos ventos, da água, dos rios e fontes, da terra onde pisamos e de tudo o que nela vive).
Todo indivíduo que cuida da natureza é um político.

Botos pescadores no canal  da barra - Laguna (foto Elvis Palma)



Mas, um dia, há muitos séculos atrás, apareceu uma doença misteriosa que atingiu a consciência de alguns viventes, "o poder."
Foi assim que nasceu o primeiro Sapolítico, que é um indivíduo doente de “poder”.
O Poder é uma anomalia ou disfunção, um acidente nos caminhos da evolução que aconteceu na espécie dos sapos e vem afetando muitos indivíduos há várias gerações.
O poder se origina num lugar da personalidade de cada vivente, chamada Consciência Moral, que cada criança vai adquirindo aos poucos desde cedo e pela vida toda, por meio  da educação, como respeito, compaixão, direito, dever, verdade, justiça e liberdade.
Os grandes Sápios chamaram a esta consciência moral de Superego.
E quem não tem superego é conhecido como Psicopata, que é um predador além da necessidade de viver.

Não é fácil distinguir um psicopata entre os demais da população.
Porque eles são mestres no disfarce. São muito inteligentes e sabem ser encantadores.
São mentirosos descarados, convincentes e muito imaginosos.
São fascinados pelo poder.
São capazes de qualquer coisa, para ter o poder, Ficar no poder, Conservar o poder.
Esta “qualquer coisa” inclui mentir, enganar, encantar, fingir, representar (e coisas muito piores, horrendas).
Eles não sentem remorso, nunca, não têm a consciência moral para se arrependerem de nada.
Passam por cima de colegas, caluniam, denunciam, bajulam, sempre para subir mais no poder.

Agora, preste atenção neste sinal muito claro:
Eles não sentem gratidão.
Jamais terão algum reconhecimento por algo que você fez por um deles.
Se você já recebeu esta resposta, “você fez porque quis, eu não lhe pedi”, você pode estar diante de um psicopata.

Enfim, “O Poder” os seduz e os deixa completamente alucinados. Possui um feitiço que os domina de tal forma, que neles, corpo, mente, coração, existem somente em função de “O Poder”.
Um Sapoderoso é movido por três forças que podem ser também sua fraqueza: a ambição, a vaidade e o medo.
Por isso, precisam ser muito ricos e não importam os meios.


Precisam ser ricos para terem “amigos” e serem admirados, balulados.
Para serem ricos corrompem e são corrompidos.
Mas vivem em estado de angústia permanente, pois não são amados.
Não podem confiar em ninguém.
E vão viver assim para sempre, em sobressalto permanente, em guarda, sem trégua nem descanso, sempre desconfiando, acordados ou dormindo.

Se você ainda quer o poder, saiba que não poderá nunca mais sentir nojo, vergonha, compaixão ou remorso - e paz.


Medo

Medo, o algoz que atormenta,
Invadindo tua noite solitária,
Em cada canto escuro se apresenta
Imagem de fantasma, imaginária.

Vampiro mau de asas monstruosas
Que se debruça e te oprime o peito
Sombras do mistério, tenebrosas,
Que te sufocam no teu próprio leito.

Ah! Que angústia, dor e sofrimento.
Sentir o coração bater incerto.
Lá dentro, fria, a garra poderosa,
Cruel, tenaz, sem afrouxar o aperto.

Um poder que não se mostra, entanto,
Demônio pronto a aparecer num instante,
Presença ruim envolta em negro manto,
Prestes a troar, num grito horripilante.





sábado, 22 de abril de 2017


O ARTIGO TERCEIRO (5)

REFLEXÕES SOBRE O PODER

                                                                                            márcio josé rodrigues


Um cheiro desagradável de bolor, umidade e restos fecais em decomposição dominava o espaço da quase escurecida caverna naquela hora mais quente do dia.
Mesmo que a esta hora todos os seus ocupantes devessem estar adormecidos, Sapolítico não conseguia fechar os olhos descomunais.
Uma angústia incontrolável comprimia-lhe o peito à medida que a ansiedade se descarregava em tiques nervosos em seus pulos de cá para lá e de lá para cá num vai vem interminável pelo chão lamacento do recinto. A imensa boca estava seca e o papo tremia num ritmo descontrolado, embora sem emitir algum som. À medida em que a boca mais secava, a baba espessa lhe colava a língua ao céu da boca.
Sapolítico sentia medo, muito medo.



Alguns assessores, sapolíticos menores distritais, traziam-lhe notícias dos "currais" daando-lhe conta das dificuldades em conseguir os preciosos sufrágios necessários para sua permanência no poder. Os chefetes dos clãs e proprietários da vontade dos eleitores na disputa eleitoral revelavam seu grande descontentamento com o último governo que, não cumprira as promessas da campanha eleitoral nem honrara os compromissos individuais.
Esta, Sapolítico teve que engolir, mesmo com a boca seca.

A cada chefe de grupo local a quem pediam sufrágios, obtinham exigências de trocas, barganhas, nomeações para mais cargos e favores, além do câmbio direto em moeda corrente, sem o menor pudor ou vergonha na cara.
O mais celebrado cidadão, tido como modelo de caráter, alicerce moral das antigas tradições, exemplo vivo às futuras gerações, também votaria no candidato, com a condição de cumprimento de certas exigências em favor pessoal e da família.
O velho Sapolítico, acostumado a viver deste jogo por décadas, sabia muito bem das causas para que se chegasse a este ponto.
Seu partido e seus governos sucessivos haviam destruído a educação, ridicularizado as crenças, explorado a fraqueza dos necessitados e a ganância dos ricos.

Em Lagoa não havia mais sufrágios de graça como nos velhos tempos em que se votava num cidadão e em suas propostas, por direito e vontade cívica livre de cada um.

A busca desenfreada pelo poder determinara a corrosão das consciências e tornara o precioso e sagrado sufrágio em reles matéria de barganha. 
Na medida em que se digladiavam na conquista de um eleitor, o preço por um voto tornara-se impraticável e, sem o respectivo pagamento não havia voto.

“Toma lá, dá cá”, “é dando que se recebe” e mais a velha e simples lei da oferta e da procura.




Sino português - do reinado de Dom João I instalado com a criaçao da "Villa da Laguna de Santo Antônio" em 1714. (roubado  e não procurado do Museu Anita Garibaldi em 2016)



Réquiem para uma cidade

Minha querida cidade
Onde passei minha infância,
Onde colhi a fragrância
Dos dias da mocidade.

Onde plantei os meus sonhos,
Onde sonhei meus amores,
Onde, nas mãos de impostores,
Chegaram dias tristonhos.

Venho encontrar-te em desgraça
Abandonada na rua,
Miserável, pobre e nua
Em tua fria carcaça.

Ao teu cadáver,  a massa
Baixa os olhos, de vergonha,
Toda esta gente pidonha,
Indiferente, que passa.

O que fizeram contigo?
Quem te feriu desse jeito?
Quem rasgou assim teu peito
E te infringiu tal castigo?

Pobre,  mendiga cidade
Das ruas cheias de lixo,
Do " cidadão" que é um bicho,
Que te suga sem piedade.

Seu  caráter,  tão rameiro,
Que mesmo não sendo pobre,
Por umas moedas de cobre
Te vende por vil dinheiro.

Gente que se acha astuta
Faz do voto um rendimento,
Como o gigolô nojento,
Que vive da prostituta.

Só te sobrou esta escória
Para suster teu presente?
O que quer toda essa gente
Que te perdeu a memória?

Ao turvar este teu  brilho,
Ao te cavar teu jazigo,
Na mesma tumba, contigo,
Sepulta seu próprio filho.

Pois, quem mata sua terra,
O próprio destino sela:
Também vai  morrer com ela
E a mesma cova o enterra.
  

quarta-feira, 12 de abril de 2017

 O ARTIGO TERCEIRO (4)

                            A HISTORIA DE RANA
                                                                             marcio jose rodrigues
           
Rana era uma linda perereca que habitava com sua pobre família à beira de um lindo lago.
            O lugar, aparentemente pacato e sem novidades importantes, tinha entardeceres paradisíacos e quando o sol se punha por trás das montanhas, nas águas lisas como um lençol estendido a perder de vista, os tons de azul refletidos do céu mesclavam-se a lilases e róseos e, muitas vezes, de fogo. Parecia então que, se ela ali mergulhasse, lá no fundo alcançaria a imensidão do céu.

Entardecer em Laguna - Brasil
            Este era também o momento mágico do despertar de Lagoa, quando os jovens se reuniam em coro para saudar o aparecimento da lua que não tardaria a chegar.
            Rana não era como a maioria despreocupada das companheiras que, adoravam coaxar a noite inteira até o nascer do sol.
            Sua vida jovem de apenas quatorze anos e irmã de uma poça inteira de girinos, era a de acordar com o ocaso e só repousar com a aurora, cuidando, provendo alimentos e executando até trabalhos braçais masculinos. A mente, contudo, permanecia viva e repleta de sonhos engaiolados  sem liberdade de voar,  como as garças brancas e os biguás. Sentia dentro do seu inquieto coração que o mundo não era apenas aquilo e sonhava à porta da toca dos ribeirinhos.
            
Sem nenhum aviso, a miséria e a fome chegaram de mãos dadas quando o pai de Rana morreu e foi levado ao sambaqui. 
            O mundo de Lagoa sempre foi cruel com os enfraquecidos e despreparados.
            A “seleção natural” não conhece misericórdia.
À pobre família restou barganhar sua linda prenda com um batrachio viciado em suco fermentado a quem chamavam “Sapateiro” e lha deram em matrimônio.
            Não houve romance nem felicidade no pouco tempo em durou esta aberração.

     Um dia começaram os rumores.
            Viventes de terras longínquas do sul estavam em revolta contra os desmandos e os pesados tributos cobrados por Sapotentes Imperiais, insensíveis e distantes.
             Um grande exército esfarrapado moveu-se na direção de Lagoa. Os viventes locais agitaram-se e bateram muito papo, dançaram e cantaram anunciando um novo mundo com nova sapolítica em que o “todo poder emanaria dos bagres”.
            De fato, os esfarrapados chegaram, expulsaram os imperiais e proclamaram que Lagoa agora era Capital de uma pátria livre.
            Sapateiro aproveitou a onda e fugiu com eles, abandonando casa e família.
            
Entre os comandantes das forças libertadoras havia alguém que tinha um sotaque diferente, vindo de uma terra de além-mar. Falava coisas bonitas e sabia coaxar canções sapolitanas.
            O amor entre a linda Rana e Giusappo Garibaldi foi bonito e selado definitivamente quando ele lhe disse num momento solene:
            
- “D’ora in piu tu sarai la mia Ranita”.
           
Ranita era mais que uma “femina”. Sabia amar o amor de um guerreiro e a ele entregou-se, corajosa e sonhadora, de corpo, vida e destino. Todo o sonho que estava aprisionado em si explodiu naquele momento de lutas e perdas numa heroína de fogo e sangue, de proporções muito maiores do que a mesquinhez de Lagoa jamais poderia compreender e engolir.
            Para os lagoenses Ranita não passaria nunca de uma degenerada. Jamais a perdoaram e por mais de um século sua imagem foi tripudiada, motivo de risos e chacotas difamantes.

            Mas, os lagoenses estão perdendo tudo. Sua história vai aos poucos para as lixeiras dos sambaquis, jamais lançam olhares à distância, deixam levar suas mais preciosas relíquias, sem reação, numa apatia doente e vergonhosa.  A eles interessa apenas a vantagem que possam arrancar do momento, uma sociedade perdedora do passado e despreparada para o futuro.
           
 A Seleção Natural tomará conta deles.
          
  No momento, entretanto, estão arrancando Ranita do túmulo onde repousa com honras de “Heroína de dois Mundos”, tentando salvar alguma vantagem que atenda aos seus negócios de comércio, atraindo visitantes para Lagoa.

Monumneto aAnita Gariraldi- Itália
          
  OS LAGOENSES NÃO MERECEM RANITA.

          
  Para este simples cágado contador de causos, Ranita é a fêmea que a “Seleção Natural” não conseguiu apagar. Tendo apenas seu caráter e seus sonhos como arma de combate, saiu à frente do seu tempo e projetou sua imagem feminina para todas as outras com lições imortais de como se ama sua pátria, seus filhos, seu companheiro de vida.  De como se pode ser um ente livre, de corpo e de alma, igual em natureza, altivez e força.
            Ranita não me sai da mente, nem do coração e por isso arrisco, embora não seja um sapo cantor, a dizer estes versos:

         
            Raninha, filha do vento,
            Não cases com Sapateiro
            Não é o teu sentimento
            Não é amor verdadeiro.
           
            Raninha, linda criança,
            Por que não ficas comigo?
            Este marujo de França
            Te arrastrá ao perigo.

            Ranita, morena linda,
            Não abandones tua terra.
            Não terás paz nesta vida,
            Nem no amor ou na guerra
           
            Ranita, a gaivota errante
            Retorna à beira do cais
            Mas, tu já vais tão distante...
            - Adeus!”-  para nunca mais.


                                       _____ooooooo____

segunda-feira, 10 de abril de 2017

O ARTIGO TERCEIRO (3)

     UM ENCONTRO CASUAL

                                         marcio josé rodrigues

Era uma vez numa linda e calma manhã de sol quando Lagoa estava particularmente deslumbrante.
Num remanso junto ao capinzal e perto de uma moita de aguapé trazida pelo riacho, desenrolava-se animada conversa entre eminentes cidadãos de Lagoa.
Phalacrocorax brasiliensis   - Biguá Brasileiro, cormorão.
Esperando um momento oportuno para encaixar sua fala o Sr. Traíra sentenciou:
- Não acham os nobres colegas, que os senhores sapos são criaturas formidáveis?
- Eles são incríveis! Emendou a senhora Traíra, que muito se orgulhava da influência do marido. Além de nadar, podem perfeitamente andar e saltar!.
- E cantam! completou entusiasmada a Perereca.
- Sem contar que discursam maravilhosamente, acrescentou o Biguá. Eu fico todo arrepiado, continuou,  quando eles discursam. Como sabem explicar sobre a nossa vida, a nossa história. Eles falam e a gente entende! Biguá era muito convencido porque constava nos anais que,  o nome “Lagoa” teria sido originado de “Laguna de los Biguás”, batismo de antigos navegantes sapanhóis. (*)
              
- Eles são realmente notáveis!  São artistas natos, inteligências superiores, têm o “dom”! – sibilou a cobra d’água, sem desviar da perereca, os olhos cobiçosos.
 Ela admirava os sapos, mas, pessoalmente, preferia as rãs,  muito mais saborosas, sem aquele leite venenoso no pescoço.

O “bate-papo” ali na esquina do riacho era moda, pois em Lagoa, o que os sapos faziam ou deixavam de fazer, o que diziam e falavam, era o correto e todos copiavam.

As opiniões estavam todas em acordo, divergindo apenas entre simpatias particulares por grupos. Havia os que se diziam dos cururus, outros eram do partido dos verdes, das untanhas, dos pintados e assim por diante.
- Ah... Como eu queria ser um sapo! Suspirou o caramujo, seguido de uma estrondosa gargalhada em coro.
- Por que não? Quem não quer ter a vida de um sapo? O prestígio, a fama, as mordomias, “ o poder”...
         - Mas, não se esqueça também de ficar com as responsabilidades, “seu bagre”! - atalhou bruscamente um carrasco bem grudado na haste de uma taboa. Já pensaram nas preocupações com a educação, a saúde, a administração pública, as finanças?
         - Eles merecem nossa gratidão e nosso respeito! Enquanto nós descansamos à noite eles permanecem acordados e preocupados com a resolução dos problemas da comunidade.
A Educação, a saúde, as finanças.
         - A cultura!
         - Lagoa é o berço da cultura!
         - Lagoa de tantas e tão honrosas tradições!
 
Jacaré, aparentemente adormecido, escancarou de repente a bocarra num grande bocejo e resmungou umas coisas, com visível mau-humor:
         - Que gratidão, que nada! Lagoa está poluída, suja. A comida escasseando, o mangue desaparecendo e só os sapos numa boa! Meus filhos já estão se mudando para outros banhados! Minha mulher passa os dias em lágrimas. ( ninguém ousou rir daquele trocadilho involuntário)
Cobra d’Água explodiu num ataque viperino:
         - Cale a boca, seu ignorante! Você está morrendo de inveja, porque eles têm “O PODER”!
A grosseria do jacaré criou grande mal-estar e causou o fim da agradável reunião, não antes, porém, de se ouvirem-se brados de vivas e louvores.

         - Viva o Sapresidente! Viva o sapoder!
         Perereca, agora mais exposta pelo entusiasmo, nem percebia a mal-intencionada aproximação da Cobra d'Água e  agitava uma folhinha verde enquanto bradava histérica, sobre a moita de aguapé::
         - Lagoa, Terra de Ranita!

      - Viva Lagoa, Terra de Ranita! bradavam em coro, menos o jacaré.


(3) Mbiaçá era o nome da atual Laguna, como assim a chamavam os habitantes locais, os índios Carijós, na época do descobrimento do Brasil.
Navegadores espanhóis do séc. XVI, teriam denominado a "lagoa" que a banha, de Laguna de los Patos, talvez por terem confundido  os biguás que eram aqui abundantes, com patos. Mas, há controvérsias. Particularmente, é minha preferida.

sábado, 8 de abril de 2017

            O ARTIGO TERCEIRO (2)
           A ESPADA DE SAPALOMÃO
 marcio jose rodrigues

O mundo nunca foi mais o mesmo desde que surgiram os sapos.
Parece que eles saíram da forma com um erro de projeto, na cabeça, lá neles. Por isso eles carregam uma espécie de paranoia uma coisa chamada “o poder”.

Uma vez, dois reis rivais, Sapanhol e Saportuga, importantes sapotentes, queriam ambos, muito mais poder. Estavam em vias de uma guerra terrível para que o mundo inteiro fosse todo de um só. Mas para não gastarem os seus tesouros, porque também adoravam seus tesouros, resolveram evitar gastanças e empobrecimentos.
Os sapos são dotados por natureza de um aparelho fantástico, o papo. Por isso apelaram para o recurso de “bater papo”, costume que todos herdaram aqui em Lagoa. Todo mundo bate muito papo mesmo que todos saibam que não vai resolver nada.

Depois de baterem muito papo, mesmo assim, nenhum dos dois querendo ceder nadinha, na base do tudo ou nada, não chegavam a um acordo.
Por isso mandaram chamar Sua Sapiedade, o Sapa, que era o rei dos sapólicos e a quem todos obedeciam.

O Sapa, consultando seus pergaminhos mais antigos, lembrou de importante decisão histórica e lapidar de Sapalomão, o vivente mais sápio que já existira e que pretendera resolver uma querela dividindo com sua espada, uma criancinha em duas partes.
O mapa do mundo estava aberto em um varal bem à frente de Sua Sapiedade, tendo à esquerda o rei Sapanhol e à direita o Portuga.
Sem ninguém esperar, o Sapa nem pensou duas vezes. Sacou de surpresa a espada de um soldado distraído e... zás!
Dividiu o mapa em duas metades!
Pronto! A metade de lá era saportuga, a metade de cá, sapanhola e não se falava mais nisso!(*)

Agora, adivinhe!
- Onde o sapa cortou o mapa?
- Pois acredite! O talho passou exatamente aqui em Lagoa!
- Baaaagreees...pasmem!

Lagoa, desde aquele dia, é o centro do mundo!

(*) Tratado de Tordesilhas - foi celebrado entre os reinos de Espanha e Portugal em 1494 com mediação do Papa Alexandre VI. Por este acordo as terras descobertas no continente americano seriam divididas pelo "Meridiano de Tordesilhas" demarcado a 370 léguas da mais ocidental das ilhas do arquipélago de Cabo Verde e cortava o Brasil desde Belém, ao norte e Laguna ao sul.
Terras a leste da linha pertenceriam a Portugal e a oeste, à Espanha. 


sexta-feira, 7 de abril de 2017

O ARTIGO TERCEIRO
por márcio josé rodrigues

APRESENTAÇÃO

Esta fábula narra alguns acontecimentos de um lugar real, mas aqui apresentado com o nome fictício de Lagoa Preta ou simplesmente, Lagoa.
Vai falar da paranoia do poder a qualquer preço, da covardia e irresponsabilidade de um povo que assiste apático e indiferente à destruição da sua cultura, seus valores e seu futuro.
O título. “O Artigo Terceiro” é filho da Teoria da Evolução das Espécies do naturalista inglês Charles Darwin e a impiedosa “Seleção Natural” que derrota os fortes e faz sobreviver os mais aptos.
Lagoa também está sujeita a esta lei.

CAPÍTULO PRIMEIRO
MINHA QUERIDA LAGOA


Quando o sol vai dormir em Lagoa.



- Eu sou apenas um bagre! Na verdade, um cágado!
Explico.
         Quando os sapos aqui chegaram e tomaram o poder, enganando os outros viventes, decretaram que só eles, os “anphibios” eram a raça superior. Em segundo lugar vinham seus parentes mais pobres, as rãs, os carrascos, as gias e pererecas, denominados “batrachios”, o que é a mesma coisa.
         Nós, eu e você, os demais, enfim, somos apenas ”bagres”.

Nós os cágados, somos animais muito tímidos e passamos a vida escondidos dentro da nossa carapaça.
Você pode pensar que a vida dentro de uma carapaça deve ser desinteressante e sem perspectivas, mas devo dizer que tem lá suas vantagens, dependendo do ponto de vista. Faça chuva ou sol, em qualquer lugar, você tem sempre a sua casa própria, por exemplo. Também não temos inimigos naturais porque não é fácil mastigar uma carapaça de cágado e muito menos, engolir um cágado com carapaça e tudo. 
Esta segurança livra-nos de histerias, estresses e outras neuras que costumam atormentar os demais viventes. Daí, sermos conhecidos por nossa absoluta calma em qualquer circunstância e imperturbável paciência. Isto proporciona-nos uma vida muito longa, boa para observar o mundo, confortavelmente debruçados na janela da frente e quase uma eternidade para pensar e repensar os sinais dos tempos.
Parecemos tímidos, mas a timidez fez-nos prudentes.
A prudência fez-nos introspectivos, pensadores, mais calados, bons ouvintes e muito observadores.
O repetitivo exercício de pensar tornou-nos espertos, sábios.
Estas virtudes ou defeitos, sei lá, fazem-nos, até certo ponto, filósofos...





A fábula é um estilo literário que existe desde a antiguidade. Sumérios já a usavam no registro de seus famosos provérbios.
Foi na Grécia, porém, no século V a.C. , que um escravo grego, Esopo, lhe deu a graça e a forma que a consagraram.
Nela usa-se a "antropomorfização" dos animais, isto é, dar a eles características humanas, de pensamento, sabedoria e fala, para descrever e criticar a sociedade sem mencionar nomes de pessoas poderosas, mas seus comportamentos.
Em tempos modernos, Jean de La Fontaine foi o expoente e usou-a para criticar o comportamento frívolo e irresponsável dos poderosos da França  do século XVI ( A cigarra e a formiga, O lobo e o cordeiro, A raposa e o corvo).
Nossos índios eram impressionantes fabulistas e nos legaram histórias divertidíssimas de macacos, onças, tatus e outros animais.

ooooooooooo


quinta-feira, 30 de março de 2017

IRMANDADE DO SENHOR BOM JESUS DOS
 PASSOS
 250 anos de história

HOSPITAL SENHOR BOM JESUS DOS PASSOS – 162 anos.

A Irmandade do Senhor Bom Jesus dos Passos de Laguna, comemora neste domingo de Passos seus 250 anos de fundação e de sua benfazeja história na provedoria do homônimo hospital desta cidade.
Foi um trabalho silencioso, quase despercebido mas, contínuo, presente, imperceptível e sem ostentação, mas sempre à frente da provedoria daquela casa de saúde.
A nova mesa diretora presidida pelo Irmão Maurício de Paula Carneiro pretende dar maior ênfase a esta presença neste seu relevante papel que já perdura por dois séculos e meio.
Hoje à noite, às 19:00  manda celebrar missa na Capela do Senhor Bom Jesus dos Passos (anexa ao hospital) cumprindo também a data comemorativa d0 162º aniversário de fundação do hospital em 03 de abril de 1855.


Hoje – 30/03/2017
Capela do Senhor dos Passos (Capela do Hospital)

SANTA MISSA ÁS 19:00 h

Estão todos convidados.